Os telefones contrabandeados estão gerando enormes desafios para os diretores de penitenciárias do mundo todo, já que oferecem aos presos a ferramenta perfeita para realizar atividades ilegais dentro e fora das prisões. 

É difícil detectar telefones, mas contramedidas eficazes que incluem dispositivos mais avançados de varredura e o uso de K-9s para ajudar a identificar dispositivos ocultos estão ajudando a restringir o fluxo de telefones ilegais. O uso das informações encontradas nos telefones confiscados é, comprovadamente, uma das formas mais eficazes de reprimir atividades criminosas.

Quando gerenciados devidamente como parte de uma estratégia mais ampla de inteligência digital, os telefones confiscados podem apresentar muitas informações que permitem que os agentes penitenciários se aprofundem nas operações criminosas para descobrir quem são os responsáveis, quem é afetado e qual o nível de alcance da rede de atividades ilegais.

Esse é um dos principais motivos para tantas penitenciárias estarem transformando a forma como realizam investigações para aproveitar a inteligência digital ao máximo, que são os dados extraídos de tipos de dados e de fontes digitais (smartphones e a nuvem) e o processo pelo qual os órgãos acessam, gerenciam e utilizam dados para executar suas operações com mais eficiência.

Usando dados para impedir grandes crimes

Até mesmo as menores extrações podem fazer revelações surpreendentes:

  • Registros de chamadas: Com quem os presos têm falado e o que eles discutiram?

  • Mensagens de texto: Outros presos ou pessoas de fora estão sendo instruídas a realizar atividades ilegais?

  • Imagens: Quais evidências visuais estão disponíveis? Foram registradas agressões a outros presos, que podem revelar responsáveis ou pontos cegos das prisões onde ocorrem coisas ruins fora do alcance das câmeras de vigilância?

  • Vídeos: Os presos mantêm registros em vídeo de ameaças ou de crimes cometidos?

  • Mídias sociais: Os presos publicam conteúdos que ilustrem atividades ilegais ou vídeos que possam prejudicar agentes penitenciários?

  • E-mails: Com quem os presos têm mantido contato e por quê?

  • Aplicativos: Os presos estão usando o Whats App ou outros aplicativos de comunicações para realizar atividades ilegais?

  • Dados de criptomoedas: Os dispositivos deles contêm carteiras de criptomoeda? Há evidências de transferência de fundos ilegais por meio de Bitcoin? Em caso afirmativo, essas contas podem ser rastreáveis.

Para transformar sua forma de realizar investigações, os diretores de penitenciárias precisam de soluções que os permitam acessar, gerenciar e analisar dados para obter pistas úteis que auxiliem a tomada de decisões.

Acesso e gerenciamento

Os dados coletados de telefones confiscados são altamente valiosos. Portanto, as extrações para acessar dados devem ser feitas com solidez forense, para garantir que:

  • Nenhum dado seja perdido. 
  • A cadeia de custódia seja gerenciada e protegida devidamente.
  • A conformidade seja mantida e os diretores de penitenciárias tenham uma clara trilha de auditoria.
  • As evidências sejam aptas para uso no tribunal.

Muitos gerentes de penitenciárias estão utilizando os Responder Kiosks, que oferecem um ponto único de extração (foto ou vídeo) para acelerar as investigações. O domínio dessas ferramentas requer pouco treinamento, e elas podem atuar como um multiplicador de força, permitindo que os agentes da linha de frente diminuam um pouco da carga de investigação para evitar sobrecarregar os técnicos de laboratório.

Embora o envio de dispositivos externamente para instalações qualificadas de serviços avançados sempre seja uma opção e possa ser necessário, principalmente ao lidar com dispositivos caseiros geralmente confiscados dos presos, o gerenciamento interno de investigações digitais permite o acesso rápido a informações valiosas, o que pode ser essencial ao lidar com possíveis ameaças aos agentes penitenciários e com outras emergências. As extrações internas também podem apresentar vantagens de economia, algo a considerar nos momentos em que o orçamento está apertado.

Analisando as evidências

Assim que os dados forem coletados e gerenciados com segurança, o próximo passo é analisar os dados para identificar pistas úteis. Até mesmo a mais simples extração de um telefone celular pode gerar grandes volumes de dados. Com as soluções modernas de analítica (alimentadas por IA), no entanto, esses dados podem ser analisados automaticamente para revelar pistas importantes e, ao mesmo tempo, reduzir as cargas de trabalho.

Os analistas conseguem mesclar informações de fontes diferentes de dados móveis e de nuvem para ver claramente as relações mais sofisticadas e os insights de dados em uma só exibição. E, o que é ainda mais importante, os diretores das penitenciárias podem se certificar de que todos os dados digitais estão sendo totalmente utilizados e compartilhados com segurança para obter informações essenciais.

Gerenciando dados com a colaboração em mente

Embora um sistema de gestão de dados digitais personalizado para as penitenciárias seja essencial para preservar a integridade dos dados, a conformidade e os SOPs, outra enorme vantagem é que ele permite que as partes interessadas acessem dados relevantes de vários locais de determinada instalação ou entre várias instalações.

Quando autorizado, o compartilhamento de dados entre os agentes de inteligência e ameaças relacionadas à segurança penitenciária e os agentes de segurança pública que trabalham fora das penitenciárias está aumentando todos os dias. Essa colaboração é extremamente importante porque vários órgãos de segurança pública podem estar rastreando, observando ou investigando os mesmos grupos criminosos ou indivíduos suspeitos sem saber que outro órgão está fazendo o mesmo.

Criar esses novos relacionamentos e parcerias para esclarecer pistas úteis permitirá que as equipes penitenciárias e os órgãos externos de segurança pública trabalhem juntos de forma mais coordenada e colaborativa para reduzir crimes dentre e fora das prisões. 

Sua organização está pronta para a inteligência digital (ID)? Use nosso DI Readiness Navigator para descobrir o quanto sua organização está preparada para enfrentar os desafios investigativos do futuro.

Quer saber mais sobre como enfrentar os atuais desafios das penitenciárias usando a inteligência digital? Baixe nosso novo e-book.

Share this post