A nuvem oferece uma grande oportunidade para a segurança pública, tanto como uma possível fonte de informações quanto como um recurso transformador para hospedar fluxos de trabalho investigativos. E como a retenção de evidências, a segurança e a proteção são uma grande preocupação de todos os órgãos de segurança pública, a migração para a nuvem pode oferecer níveis mais altos de segurança e retenção do que as soluções locais. E o principal é que a migração para a nuvem otimiza os processos, resultando naquilo que todos esperam: a aceleração do tempo de resolução do caso.

Dito isso, a transição dos fluxos de trabalho para a nuvem exige considerações cuidadosas e um manejo bem embasado. A boa notícia é que existe tecnologia suficiente para que essa transição possa ser realizada.

O aumento do número de dispositivos digitais e dos volumes de dados que eles contêm causaram uma mudança completa de paradigma na abordagem da inteligência digital nas investigações realizadas pelos órgãos de segurança pública. Hoje, estamos lidando com quantidades enormes de informações. Os órgãos de segurança pública têm uma necessidade extrema de compartilhar dados dentro dos próprios departamentos e com outros órgãos. O mundo realmente está mudando e forçando esses órgãos a gerenciar as investigações de uma nova maneira.

Transição dos fluxos de trabalho para a nuvem

Em comparação com o modo atual de manipulação de evidências digitais em vários órgãos, a proteção dos dados na nuvem oferece um aumento no controle de acesso, a capacidade de auditoria e uma cadeia de custódia mais forte.

Existe tecnologia suficiente para ajudar, mas vários pontos devem ser considerados para que os órgãos deem o primeiro passo.

  1. Segurança dos dados:a fim de transformar os fluxos de trabalho para a nuvem com sucesso, os gerentes dos órgãos precisam começar fazendo algumas perguntas importantes:
  • Quem tem acesso aos dados?
  • Os dados são criptografados em trânsito ou em repouso?
  • Quem controla essas chaves?
  • Onde os dados são armazenados e eles estão alinhados aos requisitos regulatórios locais? Por exemplo, os dados precisam residir fisicamente no meu país?
  • Meu fornecedor de nuvem demonstrou compromisso com a segurança atendendo às estruturas de conformidade padrão do setor?
  • Que nível de segurança é mais relevante para meu órgão em relação aos seguidos pelo SOC2, a ISO e o GovCloud?

A consideração antecipada dessas perguntas ajudará a assegurar a implantação de uma solução segura. 

  1. Transferência de dados:os dispositivos atuais são capazes de manter muito mais dados do que os dispositivos de um ou dois anos atrás. Um só caso de investigador pode envolver terabytes de dados que precisam ser gerenciados e analisados para gerar inteligência acionável. Com base na capacidade de upload/download, você precisará examinar sua estratégia e o que armazena na nuvem. Além disso, poderá iniciar as etapas para aumentar a capacidade em longo prazo. 

  2. Processos:esta é uma consideração crucial. Ao considerar migrar o fluxo de trabalho para a nuvem, você também deve pensar sobre todos os processos que permitem a execução do fluxo de trabalho no momento, como controle de acesso, envio, retenção, capacidade de auditoria e uma cadeia de custódia blindada.

    A mudança para a nuvem muda tudo, portanto seus procedimentos operacionais padrão precisam ser devidamente ajustados. É sempre bom trabalhar com um parceiro que possa fazer recomendações sobre isso.

  3. Gerenciamento de evidências digitais:ao começar as discussões sobre a migração para a nuvem, você deverá considerar o gerenciamento de evidências digitais. Quando você colocar na nuvem as evidências digitais coletadas de telefones e computadores, precisará gerenciá-las com um sistema que talvez você ainda não tenha.

    É aí que uma solução como o Cellebrite Guardian pode simplificar o gerenciamento investigativo com uma solução simples, segura e centralizada que funciona de modo flexível no ecossistema existente.

O andamento dessa transição para a nuvem já é inegável e fica cada vez mais rápido. De acordo com um relatório recente da Associação Internacional de Chefes de Polícia, hoje, mais da metade dos órgãos globais usam ou estão considerando usar a nuvem — com um bom motivo. A nuvem dá suporte aos órgãos de segurança pública desta forma:

  • Protegendo e gerenciando dados com segurança
  • Aprimorando a eficiência operacional
  • Aumentando a eficácia das investigações
  • Combatendo rigorosamente a atividade criminosa
  • Reduzindo os custos do órgão
  • Diminuindo as necessidades de infraestrutura
  • Simplificando a capacidade de colaboração mútua e o compartilhamento de evidência digital

Com a sobrecarga de dados e as evidências digitais crescendo exponencialmente, as políticas de retenção ficando mais rígidas e a demanda por monitoramento e capacidade de auditoria aumentando, a transição de fluxos de trabalho para a nuvem e a implementação de soluções de segurança de dados para a nova era de investigações podem ser a maneira mais efetiva de garantir o sucesso do órgão de segurança pública. A transição para a nuvem também tende a ser a maneira mais econômica de resolver mais casos, com mais rapidez e ainda aumentar a segurança das comunidades atendidas.

Saiba mais aqui sobre como o Cellebrite Guardian foi criado para solucionar todos esses desafios críticos e muito mais. Criado por nossos usuários e para eles, o Guardian oferece aos órgãos de segurança pública uma solução altamente segura e em conformidade para ajudar a gerenciar, armazenar, compartilhar e analisar evidências, desde a inclusão e a análise até o relatório final.

Sobre o autor: Todd Bailey entrou na Cellebrite recentemente como VP of Cloud Solutions. Sua experiência nos setores público e privado da indústria de software está ajudando a promover iniciativas de nuvem nas principais empresas mundiais de inteligência digital.

Executivo de tecnologia com mais de 20 anos de experiência, Todd já trabalhou como Diretor de Gerenciamento de Produto na TIBCO, gerenciando o TIBCO Cloud Integration, dando suporte a diversos perfis de usuários em várias organizações. Esse produto atingiu posições de liderança nos relatórios de analistas da Gartner e da Forester durante sua gestão.

Ele adora o desafio de encontrar novas soluções para problemas complexos, descobrir maneiras inovadoras de oferecer uma experiência de nível superior ao usuário e ajudar as equipes a atingirem o máximo de produtividade.

Share this post